“Licenciar-me em desporto sempre foi uma ambição”


O central do Académico de Viseu, João Pica, está a terminar o curso de desporto e atividade física e admite que os estudos lhe dão vantagens pelos conceitos de treino e de jogo que transporta para a prática.

Onde fez o seu percurso académico?
Na Escola Superior de Educação de Viseu.

A família e os clubes por onde tem passado têm-no apoiado relativamente aos estudos?
Sim, a minha família sempre me apoiou assim como os clubes que representei.

Acha que faltam medidas que apoiem a conciliação dos estudos com a profissão de futebolista?
O apoio parte essencialmente da escola e dos professores do curso que frequentamos. Não é fácil conciliar e tem de haver compreensão dos mesmos. No meu caso sinto-me grato pelo apoio que tenho por parte dos docentes e dos meus treinadores que sempre apoiaram e facilitaram a minha presença nas avaliações que não podia faltar.

O curso que está a tirar sempre foi uma ambição?
Estou a terminar o curso de Desporto e Atividade Física. Sempre foi uma ambição e um objetivo licenciar-me nesta área.

O Sindicato criou um Programa de Educação e Formação que permite aos jogadores frequentarem determinados cursos ou concluírem o 12.º ano. O que acha desta medida?
Acho uma medida extremamente interessante e importante, pois permite aos jogadores alargarem os seus conhecimentos e ao mesmo tempo prepararem os seus futuros visto que a nossa profissão é curta e nem todos conseguem uma independência financeira que lhes permita viver só dos rendimentos conseguidos ao longo da carreira no futebol.

Um jogador com formação académica pode ser melhor em campo?
No meu caso, e estando na área do treino, posso dizer que sim. Nas aulas que tenho de opção de futebol falamos de conceitos específicos de treino e de jogo que consigo transportar posteriormente para a prática e ter noções mais aprofundadas do que se está a trabalhar.

Quando terminar a carreira, ficará ligado ao futebol ou prefere seguir a área para a qual estudou?
A minha licenciatura permite-me ter uma vasta área de escolha depois de terminar a carreira, tanto ligado ao futebol, na área do fitness ou na área do ensino. Sinceramente, como ainda estou no ativo, a minha principal "preocupação" agora é conseguir alargar ao máximo os meus conhecimentos na área e depois sim decidir o que fazer mais tarde.

É visto pelos colegas como um exemplo a seguir?
Acho que sim, muitos deles acham que não conseguem, mas noto que eles me têm como um exemplo a seguir.

Aconselha os seus colegas a não abandonar os estudos?
Sempre. Aconselho porque acho muito importante para eles. Alguns já seguiram os meus conselhos e continuam a estudar.

Que conselhos gostaria de deixar a quem quer ser jogador profissional?
Aconselho a dedicarem-se ao máximo. Esta é a melhor profissão que se pode ter, no entanto é uma profissão de desgaste rápido, que acaba cedo e não devem descurar a escola mesmo que seja difícil conciliar as duas coisas.

Qual é a sua opinião sobre o trabalho do Sindicato?
O Sindicato está a crescer e facilita os jogadores na parte da sua formação, acho que está a fazer um trabalho muito bom e deve dar continuidade ao mesmo.

Perfil
Nome: João Miguel Passos Manuel Pica
Data de nascimento: 8 de abril de 1986
Posição: Defesa
Clubes que representou: Moura, Desportivo de Beja e Vitória de Setúbal (formação), Vitória de Setúbal B, Elvas, Ribeirão, Varzim, Moreirense, Tondela e Académico de Viseu.