Conclusões do inquérito “A Jogadora Portuguesa ao Raio-X”


Sindicato divulga estudo inédito sobre as jogadoras participantes na Liga Allianz.

As jogadoras portuguesas participantes na Liga Allianz têm bom nível de escolaridade, por comparação com as suas congéneres de campeonatos de outros países: 82% têm o 12.º ano ou mais, e 33% têm curso superior (licenciatura ou mestrado).

São jovens – a clara maioria (65%) integra o escalão etário de 23 anos ou menos – e jogam essencialmente por prazer, já que dois terços das praticantes não auferem remuneração. Aliás, 70% das inquiridas assumem-se como amadoras, um valor claramente mais alto do que o registado no universo FIFPro, abrangido pelo inquérito “Global Employment Report 2017”, efetuado por Sindicatos e Associações de 63 países filiados na FIFPro, junto de mais de 3200 jogadoras.

No caso português, o inquérito “A Jogadora Portuguesa ao Raio-X” foi feito pelo Sindicato dos Jogadores junto de todas as participantes na Liga Allianz, recolhendo-se 140 respostas válidas que permitem traçar um perfil mais rigoroso sobre as mulheres que jogam futebol ao mais alto nível em Portugal, contribuindo para o debate e para o diagnóstico de uma realidade em crescimento.

Com 1365 filiadas, o Sindicato assume-se como a voz das jogadoras em Portugal, prosseguindo uma política de fomento à igualdade de género e estímulo ao desenvolvimento da modalidade.

Pode consultar o estudo do Sindicato na íntegra AQUI.

Pode comparar com os dados do inquérito da FIFPro AQUI.

Partilhar