Opinião de Anabela Mendes: A lógica das escolhas


Ex-jogadora comenta as decisões das futebolistas no mercado de transferências.

O que leva uma jogadora trocar a Liga BPI pelo Campeonato Nacional da II Divisão (designação para 2018/2019 do Campeonato de Promoção), uma jogadora sub-18 preferir estar num clube de maior dimensão não jogando, do que estar num mais pequeno competindo todos os fins de semana (e assim trabalhar a sua evolução) ou ainda trocar a profissionalização num campeonato competitivo no estrangeiro, para ser profissional na equipa mais forte em Portugal, mas cuja competição não traz dificuldade digna de relevância e em que a única incógnita é saber a quantas jornadas do fim serão campeãs?

Nem sempre são lógicas e ambiciosas as escolhas das jogadoras portuguesas.

Num contexto ainda maioritariamente amador, razões como "gostarem do treinador, terem amigas na equipa" têm um peso maior na escolha da equipa do que objetivos competitivos. Ainda se opta muito pelo confortável e poucas são as que fazem uma inflexão e rumam para fora da zona de conforto.

Com a entrada de clubes como Sporting, Braga e Benfica surge uma nova opção. Poder trabalhar profissionalmente deixa de ser uma miragem em Portugal. Mas ainda assim, há quem faça escolhas mais com o coração do que com a razão. Doutra forma, como aceitar uma transferência quando se está num lote de terceiras escolhas para jogar?

Podemos argumentar que alguém tem de fazer essas opções e, de facto, assim é.  Mas quando ainda vivemos uma realidade em que as jogadoras de topo não são suficientes para preencher sequer metade das equipas da Liga BPI, o desejável para a dinamização da competitividade seria que todas optassem por escolher a dificuldade, porque traz evolução, em vez do conforto.

Mas o desejável nem sempre é o que acontece e as escolhas das mulheres têm sempre uma forte componente emotiva.

Longe de ser uma crítica, até porque eu sou uma defensora das escolhas baseadas na felicidade a tout court, é mais uma constatação.

E que deve sempre ser tida em conta, quando se fazem grandes planos e projetos para o desenvolvimento do futebol feminino. Há uma variável bastante significativa que representa o espírito feminino, o seu estado de espírito mais propriamente, que não se compadece da previsibilidade necessária quando se projeta algo.

Isto não significa que as mulheres jogadoras não sejam confiáveis. São-no com uma determinação e entrega muito acima da média. Mas também se amofinam, ou se entusiasmam com maior frequência.

Com projetos profissionais as coisas tenderão a estabilizar? Talvez sim. Mas o futebol feminino em Portugal está longe de ter um panorama significativo de jogadoras profissionais. E, portanto, a maioria continuará a tornar a silly season do futebol, o chamado defeso, num vai e vem que entusiasma quem de fora observa.

E dá alguma vivacidade aos projetos.

Texto: Anabela Mendes.

Foto: FPF.

Partilhar