“O ambiente à volta do Leça é incrível”


Capitão Materazzi e o apuramento da equipa do Campeonato de Portugal para os oitavos da Taça.

Daniel Ramos nasceu para o futebol como Materazzi. Defesa central, foi apelidado atrás do mítico jogador por colegas de equipa, quando dava os seus primeiros passos enquanto sénior no Salgueiros. Carlos Ferreira e Djalmir são alguns dos culpados de o jogador do Leça já não responder ao nome Daniel.

De braçadeira envergada, Materazzi entrou em campo com o restante grupo do Leça, prontos para mais um confronto com uma equipa da Primeira Liga. Depois de eliminarem o Arouca para lá do tempo regulamentar, a tarefa agora passava por deixar para trás o Gil Vicente.

O central de 36 anos não tem dúvidas de qual o segredo para a modesta equipa do Campeonato de Portugal afastar, consecutivamente, duas equipas de “primeira”: “O nosso segredo é a união que temos enquanto grupo”. No entanto, a união não é tudo. Se há algo que tem pautado os jogos do Leça é “o ambiente que existe à volta do grupo” e sem o qual não era possível chegar a este patamar, segundo Materazzi.

O Leça tem desfeito a ideia de que não há qualidade no quarto escalão do futebol português e, aliás, o próprio Campeonato de Portugal tem provado que há mais qualidade até que nalgumas ligas superiores. Relembramos que nos oitavos de final da Taça estão já garantidas as presenças de duas equipas do Campeonato de Portugal, três da Segunda Liga e dez da Primeira.

Agora, alcançados os oitavos, Materazzi expressa a sua vontade, acreditando ir ao encontro da do grupo: defrontar um grande. “Acho que o grupo gostava de se apresentar a um grande”, destacando que “um grande seria muito bom para os nossos jovens, especialmente, para poderem potenciar toda a sua qualidade”. Mas, venha quem vier, a garantia é de que o Leça a vai defrontar “com o maior dos respeitos para conseguir passar a eliminatória”, sabendo que “a partir de agora, começa a ser cada vez mais difícil” o caminho para os modestos tomba-gigantes.

Ainda pensando num confronto com um grande, se “jogar em casa acaba por ser uma vantagem, pelas dimensões do campo, por ter os adeptos mais perto”, mas o central não esconde que “poder jogar na Luz, no Dragão ou em Alvalade seria uma montra ainda maior” para os jovens talentos da equipa.

Se em relação à preparação do jogo tudo “foi natural”, “o pós-jogo foi fantástico”. Materazzi diz que “depois de ganharmos, de concretizarmos esse objetivo, houve uma natural explosão de alegria”, deixando ainda uma palavra de apreço aos adeptos: “Os nossos adeptos foram fantásticos e quero deixar-lhes uma palavra. Têm sido inexcedíveis em todos os campos, quer em casa, quer fora”.

O que se segue para o Leça? Só no dia 25 de novembro se saberá. Esta é a data marcada para o sorteio que irá definir as partidas dos oitavos de final, onde duas equipas do Campeonato de Portugal – Leça e Paredes – querem continuar a sonhar.

Partilhar